Uma análise dos principais candidatos que competem pela votação presidencial instantânea do Irã

Uma análise dos principais candidatos que competem pela votação presidencial instantânea do Irã

Nenhuma mulher foi autorizada a concorrer à presidência desde 1979 (Representacional)

Teerã:

Oitenta iranianos registaram a sua candidatura às eleições presidenciais de 28 de Junho no país, antecipadas pela morte de Ebrahim Raisi, mas muitos ainda poderão ser desqualificados antes do início da campanha.

Quem se inscreveu?

No final do período de registo de cinco dias na segunda-feira, o Ministro do Interior Ahmad Vahidi disse que 80 candidatos presidenciais apresentaram a sua candidatura.

Incluem figuras mais conservadoras e até ultraconservadoras do que moderados ou reformistas, bem como vários clérigos de classe média e quatro mulheres.

O candidato mais conhecido é Mahmoud Ahmadinejad que deseja, aos 67 anos, regressar ao cargo de presidente que ocupou por dois mandatos consecutivos, de 2005 a 2013.

O político populista está associado a comentários incendiários sobre Israel e às tensões latentes com o Ocidente, particularmente sobre o programa nuclear iraniano.

Outras figuras importantes da república islâmica também estão na disputa: o atual presidente do parlamento, Mohammad Bagher Ghalibaf, um conservador, o ex-presidente Ali Larijani, uma figura moderada, e Saeed Jalili, um ex-negociador nuclear ultraconservador.

Ao apresentar a sua candidatura na segunda-feira, Ghalibaf disse estar esperançoso de que, se eleito, poderá resolver os problemas do país, incluindo “redução do poder de compra, pobreza, discriminação, desigualdade e sanções”.

O Irão tem sido dominado por duras sanções ocidentais, principalmente devido ao seu programa nuclear, mas também pelo seu historial em matéria de direitos humanos e pela cooperação militar com a Rússia.

A lista de candidatos – que ainda não é definitiva – também inclui o prefeito de Teerã, Alireza Zakani, o ex-governador do banco central Abdolnasser Hemmati e Eshaq Jahangiri, um ex-primeiro vice-presidente reformista.

Todos os 80 podem competir?

Os candidatos devem primeiro receber luz verde do Conselho Guardião, um órgão não eleito dominado por conservadores que examina todos os candidatos a cargos públicos.

O corpo de 12 juristas, nomeados ou aprovados pelo líder supremo, tem até 11 de junho para decidir qual dos candidatos estaria autorizado a fazer campanha para a presidência.

Nas eleições de 2021, o conselho aprovou apenas sete candidatos entre 592 candidatos e rejeitou a candidatura presidencial de numerosas personalidades reformistas e moderadas.

Isto permitiu que Raisi, então candidato do campo conservador e ultraconservador, fosse facilmente eleito no primeiro turno.

Confrontados com uma escolha limitada, muitos eleitores evitaram as eleições de 2021: a participação atingiu pouco menos de 49 por cento, a taxa mais baixa de qualquer eleição presidencial desde a revolução islâmica de 1979.

Entre os candidatos deste ano, Ahmadinejad já foi desclassificado duas vezes, em 2017 e 2021, quando Larijani e Jahangiri também o foram.

De acordo com a lei iraniana, para serem elegíveis para a presidência, os candidatos devem ter entre 40 e 75 anos, possuir pelo menos um mestrado universitário e ser leais à república islâmica.

Uma mulher pode ser eleita?

Nenhuma mulher foi autorizada a concorrer à presidência desde 1979, mas o Conselho Guardião em 2021 decidiu que isso não era legalmente proibido.

Uma mulher entrou na disputa em 1997, mas sua candidatura foi rejeitada.

Este ano, quatro mulheres, todas ex-deputadas, apresentaram a sua candidatura.

Uma delas é a conservadora Zohreh Elahian, que defendeu o uso obrigatório do véu para as mulheres e apoiou a resposta das autoridades a uma onda de protestos que durou meses após a morte sob custódia de Mahsa Amini no final de 2022.

A União Europeia posteriormente sancionou Elahian por “violações dos direitos humanos no Irão”.

Quão poderoso é o presidente?

Ao contrário de muitos países, o presidente iraniano não é o chefe de Estado, e a autoridade máxima na república islâmica é o líder supremo – cargo ocupado pelo aiatolá Ali Khamenei durante 35 anos.

Mas o presidente ainda tem um papel importante na direção do governo e das suas políticas.

Na segunda-feira, Khamenei classificou a próxima votação como “um grande negócio” e instou os iranianos a participarem em “grande número”.

A república islâmica aboliu o cargo de primeiro-ministro num referendo constitucional em 1989, 10 anos após a revolução.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Fornte

Comments

No comments yet. Why don’t you start the discussion?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *