Parlamento do Reino Unido é dissolvido antes das eleições gerais de 4 de julho

Parlamento do Reino Unido é dissolvido antes das eleições gerais de 4 de julho

Eleições no Reino Unido 2019: Cerca de 129 deputados anunciaram até agora que não se candidatarão à reeleição.

Londres:

O parlamento britânico foi dissolvido na quinta-feira, antes das eleições gerais de 4 de julho, que parecem destinadas a levar os trabalhistas ao poder após 14 anos de governo conservador.

Cinco semanas de campanha começaram oficialmente quando 650 assentos de membros do parlamento (MPs) ficaram vagos à meia-noite um minuto depois (2301 GMT), de acordo com o calendário eleitoral.

A primeira semana de campanha teve um início instável após o anúncio eleitoral chuvoso do primeiro-ministro Rishi Sunak, com muitos observadores considerando a chuva torrencial como um mau presságio.

Sunak marcou as eleições para 4 de julho, em vez de no final do ano, como era amplamente esperado, no que os observadores disseram ser uma tentativa de recuperar o ímpeto à medida que o seu partido caía nas sondagens de opinião.

Depois de 14 anos na oposição, o Partido Trabalhista tem agora a oportunidade de reconquistar o poder com o seu líder Keir Starmer, um antigo advogado de direitos humanos, no comando.

– Êxodo em massa –

A dois dígitos do Partido Trabalhista nas sondagens, o partido no poder também enfrentou um êxodo em massa de parlamentares, alguns jogando a toalha face às sombrias possibilidades de vitória.

Cerca de 129 deputados anunciaram até agora que não se candidatarão à reeleição. Entre eles estão 77 conservadores, um êxodo sem precedentes para um partido do governo.

Entre os Conservadores que se candidatam à reeleição, alguns não esconderam o seu aborrecimento por terem sido apanhados desprevenidos na data das eleições de Julho.

Steve Baker, Secretário de Estado da Irlanda do Norte, manteve a sua decisão de continuar as suas férias na Grécia, dizendo que prepararia a sua campanha lá.

Os sinais de lutas internas também se espalharam abertamente, com uma deputada conservadora a apoiar um candidato do partido populista de direita Reformista do Reino Unido no seu círculo eleitoral, antes de ser imediatamente suspensa pelos conservadores.

– Início vacilante –

Após o anúncio eleitoral, Sunak viajou por todo o país, promovendo os conservadores como a opção “segura”.

Sua campanha encontrou alguns obstáculos iniciais, incluindo uma visita ao local onde o Titanic foi construído, fazendo comparações entre sua liderança e o comando de um navio que estava afundando.

Duplicando a aposta nos eleitores mais velhos e nos apoiantes da direita, a campanha de Sunak viu promessas de trazer de volta o serviço nacional e o que é anunciado como uma redução de impostos de 2,4 mil milhões de libras (3 mil milhões de dólares) para os reformados.

No entanto, a semana de intensa campanha de Sunak e a tentativa de surpreender o país pouco fizeram para aumentar a popularidade.

As sondagens colocam os Trabalhistas em média com 45% das intenções de voto, contra 23% dos Conservadores, sugerindo que, dado o sistema de votação por maioria simples, os Trabalhistas irão desfrutar de uma vitória muito grande.

Na tentativa de mudar a situação, Sunak espera ganhar pontos nos debates programados com Keir Starmer, o primeiro dos quais acontecerá na próxima terça-feira na ITV.

– Mais brigas internas –

Entretanto, os Trabalhistas procuram capitalizar o cansaço do público com os Conservadores, que viram cinco primeiros-ministros desde 2016 ao lado de uma série de escândalos e problemas económicos.

Ela tentou se concentrar em sua mudança para o “partido natural dos negócios” depois de ganhar o apoio de 120 líderes do setor esta semana.

Depois de uma derrota retumbante sob o líder de esquerda Jeremy Corbyn em 2019, Starmer empurrou o partido para o centro numa tentativa de reconquistar eleitores, nomeadamente expurgando Corbyn e tomando medidas para erradicar o anti-semitismo.

No entanto, a semana passada expôs as divisões faccionais de longa data dentro do partido, com a deputada Diane Abbott a expressar a sua consternação com o desejo do partido de a impedir de se candidatar.

Starmer insistiu que o destino de Abbott, que foi suspenso no ano passado por comentários sobre racismo, ainda não foi decidido. Mas o tratamento dispensado ao altamente respeitado homem de 70 anos, que passou 37 anos como membro do parlamento, provocou críticas ferozes.

Starmer também enfrentou a condenação de eleitores de esquerda que o acusam de reverter promessas que fez durante sua bem-sucedida campanha de liderança.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Fornte

Comments

No comments yet. Why don’t you start the discussion?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *