A importância do seu umbigo e o que ele revela sobre sua saúde

A importância do seu umbigo e o que ele revela sobre sua saúde

Observar o umbigo: verificar o umbigo pode dizer muito sobre sua saúde. (Representativo)

Umbigo, umbigo, parte interna ou externa… seja qual for o termo que você usar, seu umbigo pode ter muito a lhe dizer sobre seu estado de saúde.

Para alguns, eles são pesadelos – onfalofobia (o medo dos umbigos) é uma condição real. Para outros, são um acessório de moda que pode ser exibido em um top curto ou decorado com um piercing corporal.

Quaisquer que sejam os seus sentimentos em relação aos umbigos, uma coisa é certa: uma vez ele uniu você à sua mãe. O cordão umbilical é cortado no nascimento, deixando apenas um pequeno coto preso que murcha progressivamente e cai uma ou duas semanas depois.

O que resta, na maioria dos casos, é uma pequena depressão enrugada. Isso se você tiver um “innie”, como a maioria de nós – 90% aparentemente – fazer. A partir deste ponto, o umbigo parece tornar-se redundante – a não ser para acumular poeira e penugem.

Mas isso não é tudo – o seu umbigo tem mais profundidade do que apenas alguns milímetros.

O umbigo é um ponto de acesso para os vasos que transportam sangue de e para o feto. Estes vêm da placenta e percorrem o cordão umbilicalrevestido em Geléia de Wharton – um tecido conjuntivo gelatinoso contido no cordão que os isola e protege.

Normalmente existem três vasos dentro da medula. Aquele que transporta oxigênio e nutrientes para o feto é o veia umbilical. Ele passa pelo umbigo e alimenta a circulação fetal em desenvolvimento. Há também duas artérias umbilicaisembora estes transportem sangue desoxigenado e resíduos, fluindo na outra direção de volta à placenta.

Esta circulação não é necessária após o nascimento do bebê e, uma vez desconectados da placenta, os vasos umbilicais fecham-se naturalmente. Mas o pequeno pedaço de cordão cortado ainda pode ser útil por um curto período de tempo, especialmente em recém-nascidos que estão mal. As embarcações podem ter linhas de gotejamento inseridas e ser usados ​​para infusões de medicamentos, ou coletar amostras de sangue para testes.

O umbigo é um portal na parede do abdômen – é um fato pouco conhecido que durante o desenvolvimento embrionário seus intestinos realmente precisam deixe sua cavidade abdominal por causa do espaço limitado, mas retorne algumas semanas depois. Eles fazem isso através do umbigo, passando para o cordão umbilical.

Como resultado, o umbigo não é apenas um ponto de acesso, mas um ponto fraco. Um hérnia umbilical ocorre se uma seção do intestino passar por qualquer lacuna. Isso pode exigir uma operação para corrigi-lo.

A freira e o umbigo

Pobre Irmã Mary Joseph Dempsey. Ela era uma freira que dedicou grande parte de sua vida ao cuidado de pacientes em um hospital em Minnesota. Ela se formou como enfermeira, tornando-se posteriormente assistente cirúrgica do médico William Mayo. Foi durante esse mandato que ela destacou uma observação interessante.

Na época (final do século XIX), os cancros do abdómen e da pélvis eram normalmente diagnosticados muito mais tarde e, infelizmente, eram frequentemente mais extensos. Chamamos esse processo metástaseonde o câncer começa em um órgão ou local e depois se espalha para outro.

Mary Joseph observou que alguns pacientes com câncer metastático apresentavam um novo inchaço ou nódulo palpável no umbigo. Ela fez o nobre ato de relatar isso a Mayo, que evidentemente não havia notado. Ele passou a publicar ignominiosamente essas descobertas em seu próprio nome, sem dar o devido crédito ao seu estimado colega. Foi somente após as mortes de Dempsey e Mayo – ambas em 1939 – que outro médico, Hamilton Bailey, nomeou corretamente a descoberta Nódulo da Irmã Mary Joseph.

O nódulo é firme, de coloração variável e, na verdade, surge da disseminação do câncer para o tecido umbilical. Não é visto tão comumente hoje em dia, uma vez que agora mais cânceres são diagnosticados mais cedo, antes que ocorra uma disseminação extensa.

Cabeça de Medusa

Outros sinais podem ser observados no umbigo que têm base na mitologia. Um exemplo permite-nos estabelecer uma ligação entre o fígado e o umbigo.

A pele ao redor do umbigo possui camadas de veias superficiais que retroalimentam a circulação mais profunda. Na verdade, eles drenam o sangue para a veia porta hepática, um grande vaso que se dirige para o fígado, repleto de nutrientes absorvidos pelo intestino.

Se o a pressão na veia porta torna-se muito alta (principalmente como resultado de doenças hepáticas, como a cirrose alcoólica), a pressão também aumenta nos vasos de conexão. As veias têm paredes mais finas que as artérias e tendem a balão sob pressão.

Como resultado, as veias normalmente pequenas ao redor do umbigo dilatam de tamanho e tornam-se visíveis sob a pele, espalhando-se em todas as direções. Este sinal, como uma cabeça repleta de cobras no lugar do cabelo, é chamado a cabeça da Medusa, ou a cabeça da Medusa. Na mitologia grega, a górgona Medusa cuja cabeça foi decepada pelo herói Perseu, tinha a habilidade de transformar em pedra qualquer um que visse seu olhar.

E nesse assunto, toda aquela sujeira, detritos e pele morta em nosso umbigo também deveria receber uma menção honrosa (ou talvez desonrosa) – o acúmulo prolongado desse material dentro da cavidade pode fazer com que ela endureça com o tempo, formando uma massa pedregosa. Chamamos isso de onfalólitoou pedra umbilical.

Portanto, o umbigo é uma espécie de bola de cristal confiável no diagnóstico de doenças internas. Mas para saber se você considera isso uma parte atraente de sua própria anatomia, é preciso perguntar: você é interno ou externo?A conversa

(Autor:Dan BaumgardtProfessor Sênior, Escola de Fisiologia, Farmacologia e Neurociências, Universidade de Bristol)

(Declaração de divulgação:Dan Baumgardt não trabalha, presta consultoria, possui ações ou recebe financiamento de qualquer empresa ou organização que se beneficiaria com este artigo e não revelou nenhuma afiliação relevante além de sua nomeação acadêmica)

Este artigo foi republicado de A conversa sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Fornte

Comments

No comments yet. Why don’t you start the discussion?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *